289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 
2014-075-Dia do Pescador1No último sábado, 31 de maio, celebrou-se mais um Dia do Pescador. A data, de grande importância para as gentes olhanenses, muitas delas ligadas ao mar, foi assinalada com várias iniciativas, entre elas uma sessão de distinções e homenagens aos homens da pesca. Foi ainda inaugurada a exposição Faina Maior, no Museu Municipal de Olhão, local que também acolheu as Conversas de Museu dedicadas ao tema.

O Salão Nobre dos Paços do Concelho de Olhão foi palco para uma das cerimónias mais importantes do ano na cidade: a homenagem aos pescadores olhanenses que se destacaram no ano anterior. Foram igualmente distinguidos, a título póstumo, dois grandes nomes da pesca em Olhão, recentemente falecidos: António da Branca e Dorilo Seruca, que deixaram saudades em toda a comunidade pela sua partida inesperada.

Nas várias categorias, as embarcações distinguidas foram “Peixe de Ouro” e “Praia de Montegordo” (arrasto), “Samuelito” e “Rio Odiel” (cerco), “Vip” e “Zé Manel” (polivavente local), “Mar Verde” e “Alexandrina Maria” (polivalente costeira), Marília Lopes foi distinguida na área de Aquacultura/Moluscicultura e Paulo Carmo Parra na vertente de ganchorra de mão. A mulher na pesca e na aquacultura distinguida este ano foi Maria Deonilde Batista, o pescador mais novo é João Paulo da Câmara, Mário Barreto recebeu a distinção enquanto maquinista marítimo, Alfredo do Poço como pescador em progressão e Eduarda Lopes foi galardoada com o Prémio Indústria Conserveira.

2014-075-Dia do Pescador22014-075-Dia do Pescador4

Nesta sessão solene de homenagem aos homens do mar, na qual estiveram presentes, entre outros, o diretor regional de Agricultura, o capitão do porto de Olhão, o vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, uma representante da Docapesca e dirigentes associativos, o presidente da Câmara de Olhão, António Miguel Pina, que pela primeira vez presidiu às cerimónias do Dia do Pescador, recordou dois homens que muito deram à pesca neste concelho: “Ninguém é insubstituível, mas há pessoas que fazem a diferença e António da Branca e Dorilo Seruca fizeram a diferença”, enalteceu o autarca.

António Miguel Pina salientou que “desde há muitos anos que a Câmara de Olhão tem a porta aberta aos pescadores, através do Grupo de Ação Costeira (GAC) do Sotavento”, sedeado na cidade, tendo passado por este gabinete “metade das candidaturas aprovadas no País”. Referindo-se aos desafios para o futuro, o autarca destacou a importância de se “legislar a atividade da pesca-turismo, promovendo e divulgando, dessa forma, a pesca também do ponto de vista turístico, uma atividade que faz parte do nosso património e cultura”. Dirigindo-se aos pescadores que encheram o Salão Nobre, António Miguel Pina, terminou o seu discurso agradecendo o apoio e união demonstrados aquando da questão problemática da desclassificação dos viveiros na Ria Formosa: “Estamos prestes a ter boas notícias sobre a reclassificação. Senti que quando estamos unidos conseguimos fazer ouvir a nossa voz junto do Estado Central. Saibam que têm alguém que luta por vós!”.

2014-075-Dia do Pescador32014-075-Dia do Pescador6

O presidente da Assembleia Municipal de Olhão, Daniel Santana, também elogiou os homens do mar de Olhão, pela sua tenacidade e trabalho desenvolvido: “Não é por acaso que os nossos pescadores são chamados para trabalhar além-fronteiras. Assim têm elevado o nome de Olhão”, destacou, lamentando que muitos dos jovens que estudam no Núcleo Operacional de Olhão do FOR-MAR depois acabem por não ingressar na profissão.

2014-075-Dia do Pescador52014-075-Dia do Pescador8

As celebrações do Dia do Pescador começaram ao início da tarde com as Conversas de Museu, onde os participantes, quase todos ligados ao mar, falaram das suas experiências na faina e das dificuldades muitas vezes encontradas na labuta do dia a dia terminando, no mesmo espaço, com a inauguração da exposição de fotografia Faina Maior, de Aníbal Lemos, produzida pelos Município e Museu Marítimo de Ílhavo, que retrata os mestres que foram para a pesca do bacalhau. Trata-se de uma exposição a preto e branco, realista, que retrata as dificuldades deste trabalho duro.

As comemorações do Dia do Pescador terminaram com um beberete que contou com o apoio da Docapesca e da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, onde o chef José Domingos apresentou várias propostas de canapés confecionados com polvo.

2014-075-Dia do Pescador7