289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 
2014-076-Julio ResendeJúlio Resende atua no próximo sábado, 7 de junho, pelas 21h30, no Auditório Municipal de Olhão. O pianista irá apresentar o seu mais recente trabalho, Amália por Júlio Resende, onde o fado encontra novos contornos nas mãos do algarvio. 

O pianista Júlio Resende nasceu em Faro, mas foi em Olhão que viveu e cresceu e onde teve o primeiro contacto com a música. Aos 18 anos rumou a Lisboa, para prosseguir os seus estudos. No entanto, foi em Olhão que começou, com quatro anos, a tomar gosto pela música, em especial pelo piano.

A oferta de um pequeno piano, aos quatro anos, veio despertar o interesse do pequeno Júlio pelas teclas. Frequentou o Conservatório de Música de Faro, onde aprendeu música clássica, mas foi no jazz que conheceu a arte de improvisação musical. Em 2001, já em Lisboa e a par da licenciatura em Filosofia, aventura-se pelo mais antigo clube de jazz da Europa: o Hot Clube de Portugal. 

Do jazz ao fado, conta com várias colaborações de sucesso com grandes nomes da música portuguesa: Maria João, Aldina Duarte, Elisa Rodrigues, Hélder Moutinho, António Zambujo, Ana Moura, Cristina Branco, Cuca Roseta, Marco Rodrigues.  No panorama do jazz internacional destacam-se as colaborações com Matt Penman, reconhecido contrabaixista nova-iorquino, Perico Sambeat, um dos melhores saxofonistas espanhóis de todos os tempos, John Hebert, Carlos Bica, Ole Morten Vogan ou Will Vinson, entre outros.

Júlio Resende apresenta-se em Olhão, sua terra de coração, pela primeira vez, no Auditório Municipal de Olhão, onde interpreta as melodias de Amália Rodrigues. Para o músico, “todos os pianistas têm o sonho de realizar um disco a solo. Eu queria fazer o disco a solo mais pessoal possível. Entendo a palavra ‘solo’ como algo que tem a ver com terra, com raízes, com o chão que pisas, que habitas. Entre as minhas memórias musicais mais antigas está a voz da Amália a cantar A Casa Portuguesa ou o avassalador Estranha Forma de Vida e ela serve de símbolo para esta viagem musical”, explica o músico.
Um espetáculo para ouvir e sentir. A não perder!