289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 
2014-096-olimpismo-Gustavo-Marques-01Gustavo Marcos, fundador dos Jogos de Quelfes e membro do conselho diretivo da Academia Olímpica de Portugal, reuniu-se com diretores e oficiais olímpicos nacionais e internacionais, de cerca de 180 países, na Academia Olímpica Internacional (Olímpia, Grécia), entre 11 e 18 de maio. A Educação Olímpica foi o tema em debate.

Com o objetivo de refletir sobre os grandes desafios do Olimpismo atual e preconizar soluções que pudessem ser remetidas às mais altas instâncias do Comité Olímpico Internacional, Portugal, representado pelo jovem olhanense, esteve integrado no grupo de trabalho «English 1», juntamente com o México, China, Taipé, Sudão, El Salvador, Qatar, Porto Rico, Turquia e Alemanha.

De entre as recomendações emitidas (onde se incluiu o reforço da ação preventiva na luta contra o doping ou o estabelecimento de regras financeiras para processos de candidatura e organização dos Jogos Olímpicos), Gustavo Marcos, em representação de Portugal, sugeriu a importância fundamental de promover o Olimpismo enquanto filosofia de vida, capaz de ser abraçada por qualquer pessoa, em qualquer idade, independentemente da sua origem, raça, religião, orientação política ou sexual. Neste processo foi ainda sugerida a aposta em ações sociais, culturais e ambientais que reforcem a imagem do Movimento Olímpico junto da população.

2014-096-olimpismo-Gustavo-Marques-02Sob a proposta da Austrália, Finlândia, Nova Zelândia e Estados Unidos da América, Gustavo Marcos foi o escolhido para realizar o discurso de encerramento, em nome de todos os participantes. As palavras de Gustavo foram “profundamente inspiradoras”, tendo sido consideradas pelo Professor Konstantinos Georgiadis,decano da Academia Olímpica Internacional e superintendente, como “o melhor discurso proferido naquela instituição”.

Para Gustavo Marcos, “O Olimpismo é uma causa que nos inspira a lutar os medos mais profundos. Que ajuda a suportar as situações mais desafiantes. E também, mesmo quando parece impossível, a triunfar”.