289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 
2015-048-cuca-roseta-01O Auditório Municipal de Olhão celebra já no próximo sábado, 21 de março, o seu 6º aniversário. A festa começa às 20h30, com um Porto de Honra no foyer do edifício, seguindo-se a inauguração de uma exposição de escultura de Paulo Duarte Filipe. A noite termina em beleza com a atuação da fadista Cuca Roseta.
 
Em Olhão, Cuca Roseta, que sonhava ser psicóloga mas descobriu o fado aos 18 anos, apresenta o seu segundo trabalho, Raiz, com letras e músicas de sua autoria. Como refere Nuno Miguel Guedes, “a fadista criou um disco de originais, com música e letras próprias vindas do fundo de si. Da raiz da sua alma. Quando isto acontece com verdade, é fácil reconhecê-lo”. Não surpreende, por isso, que Raiz tenha sido recebido com tanto entusiasmo pelo público e rapidamente tenha sido disco de ouro.

É o mistério e a entrega de Cuca Roseta e do seu novo trabalho que irá ser celebrado ao vivo, com a cumplicidade de grandes músicos, no palco do Auditório Municipal de Olhão (AMO) em dia de aniversário. Nesta noite especial, irá acontecer mais uma vez o sortilégio que Cuca Roseta faz viver no que canta e no que sente: “uma alma que se dá e que nessa partilha consegue despertar a nossa própria alma”. O segredo é outra vez o mesmo, porque em Cuca Roseta não poderia ser outro: “uma surpreendente, oportuna e deslumbrante verdade em estado puro”.

Antes de Cuca subir ao palco, às 21h00 é inaugurada a exposição de Paulo Duarte Filipe intitulada Quo Vadis Avis Rari, onde o artista apresenta várias instalações escultóricas. O artista viveu em Angola desde os primeiros meses de vida até aos 13 anos, rumando posteriormente com os seus pais a Faro, cidade onde acabou por se fixar e onde vive atualmente. África, no entanto, marca uma presença efetiva e afetiva nas suas obras, não só de escultura mas também de pintura e desenho, entre outros interesses como o cinema. Paulo Duarte Filipe tem exposto com frequência em Portugal e no estrangeiro, sendo o Algarve uma região onde a sua arte é sempre muito acarinhada.

A mostra da autoria de Paulo Duarte Filipe ficará patente no AMO até final do mês de abril.