289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 
2013-124-EMI Algarve Central reuniao2Realizou-se na tarde de 18 de julho, no auditório da Biblioteca Municipal de Olhão, a 2ª Reunião da Comissão Externa de Acompanhamento e da Comissão Executiva do Estudo de Mobilidade Interurbana do Algarve Central. A equipa da DHV, que está a elaborar o estudo, apresentou os cenários, a visão estratégica para o sistema de acessibilidades e transportes e os objetivos e linhas de orientação.

Neste encontro, que representou o final da fase 2 do estudo, o autarca de Olhão Francisco Leal, que presidiu à reunião, lembrou que nestes tempos de dificuldades financeiras, os seis concelhos do Algarve Central (Albufeira, Loulé, Faro, Olhão, S. Brás de Alportel e Tavira) decidiram fazer este estudo sobre a mobilidade interurbana nesses municípios para que, quando houver oportunidade, e mediante as sugestões de benefícios apresentadas, possa ser posto em prática.

Em Olhão, por exemplo, “sentimos muitas dificuldades na ligação com Faro. As portagens na Via do Infante vieram prejudicar ainda mais a chamada ‘estrada da morte’, a EN 125, trazendo para aqui mais 50% do trânsito”, referiu Francisco Leal, criticando igualmente as variantes que ficaram paradas e aquelas que nem chegaram a ser iniciadas, como é o caso de Olhão. “Logo que haja fundos comunitários, e com os estudos já feitos, poderemos avançar com estas medidas”, disse o edil olhanense.

Já o presidente da Câmara de S. Brás de Alportel solicitou aos autores do estudo que sejam “definidas ações concretas e de acordo com as capacidades financeiras de cada município. Queremos um estudo realista, com medidas que possamos implementar”, frisou António Eusébio.

Maria João Silveira, da DHV, tendo em conta as forças externas, internas e políticas que influenciam a mobilidade, apresentou os quatro objetivos estratégicos deste plano, a 10 anos, com o referencial temporal 2014/2023: desenvolver um sistema de governância que contribua para a articulação entre o planeamento do sistema de transportes e os usos do solo e para a sustentabilidade financeira do setor (objetivo estratégico 1); desenvolver um sistema de transportes intermunicipal que contribua para a coesão socioeconómica e territorial e para a melhoria da eficiência energética e ambiental, pela promoção de uma repartição modal mais favorável ao transporte público e aos modos suaves (objetivo estratégico 2); desenvolver uma política de planeamento e de gestão das acessibilidades rodoviárias que contribua para a resolução dos problemas de circulação e para a melhoria da segurança das deslocações (objetivo estratégico 3) e melhorar a eficiência do sistema de logística regional e urbana (objetivo estratégico 4).

Para cada um destes objetivos estratégicos foram apresentados os objetivos específicos e linhas de orientação que deverão nortear a definição do plano de ação do estudo, nomeadamente operacionalizar um sistema de planeamento e gestão do sistema de mobilidade e transportes para o Algarve Central; articular o planeamento de transportes com o de territórios e com a política energética e ambiental; desenvolver e implementar um sistema de monitorização e racionalizar os custos de investimento, manutenção e operação do sistema de transportes intermunicipal. É também importante promover a intermodalidade física, bilhética e tarifária no sistema de transportes e a informação; reforçar a oferta de transporte público entre os principais centros urbanos da região, adequados às necessidades de procura e com elevados níveis de conforto e acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida; garantir a acessibilidade multimodal aos principais pólos geradores/atratores de deslocações; implementar serviços de transporte coletivo adequados às necessidades de mobilidade da população residente em áreas de baixa densidade; promover as deslocações em modos suaves reforçando a sua quota de utilização; implementar uma política de estacionamento coerente a nível intermunicipal que contribua para a utilização do transporte público e desenvolver uma política de sensibilização ambiental e educação cívica sobre a problemática da mobilidade sustentável.

Sugere-se também a necessidade de melhorar as acessibilidades rodoviárias entre os principais centros urbanos da região e reduzir os índices de sinistralidade rodoviária ou ainda racionalizar o sistema regional de distribuição de mercadorias; promover a concretização das plataformas logísticas previstas para a região e racionalizar o sistema urbano de distribuição de mercadorias.

Validada a estratégia, objetivos e linhas de orientação, segue-se a definição do plano de ação, materializado em propostas de intervenção e a definição do plano de execução, que integrará a totalidade dos investimentos programados.

O estudo deverá estar concluído e ser apresentado aos municípios do Algarve Central no início do mês de setembro.

2013-124-EMI Algarve Central reuniao2 pan