289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 
2015-000-biblioteca-Entre-o-Abstrato-e-o-Figurativo-Olhao--de-Marisa-Patrício2015-000-biblioteca-A-Ria-por-Horizonte-Martins-Leal2015-000-biblioteca-Podio-de-Henrique-Silva-01Exposição Coletiva de Arte - Pintura e Escultura
07 de março a 04 de abril de 2015
Inauguração 07 de março, pelas 17:00
Galeria da Biblioteca Municipal de Olhão

Pintura - Marisa Patrício e Martins Leal
Escultura - Henrique Silva

Marisa Patrício, licenciada em Arquitetura do Design, nasceu em Olhão em 1980. Desde muito cedo mostrou uma grande propensão para as artes e ainda criança já a sua sensibilidade se fazia notar através de trabalhos que surpreendia os adultos pela criatividade e talento. A pintura acompanhou sempre a sua trajetória e foi como autodidática que foi crescendo nessa área, até que ingressou no Centro de Pintores olhanenses. É a partir daí que o seu percurso artístico se tem vindo a desenhar numa linha abstrato-figurativa que contou com a ajuda inestimável do Mestre Martins Leal na busca dessa definição. Atualmente conta com algumas exposições coletivas e individuais.

Martins Leal nasceu em Olhão, em 1946. Fez a sua primeira exposição na sua cidade natal em 1965. De 1965 a 1968 frequentou o curso de pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Conta no seu currículo com mais de uma centena de exposições individuais e coletivas, em Portugal e no estrangeiro. Está representado em coleções particulares e museus regionais. Atualmente desempenha a função de monitor no Centro de Pintores Olhanenses. Em 2008 o Município de Olhão criou o Prémio Pintura Martins Leal, no âmbito das Comemorações dos 200 anos da Restauração. Foi duas vezes nomeado para Prémio Imprensa Regional. Foi-lhe atribuída Medalha de Mérito Grau Ouro pelo Município de Olhão pelos serviços prestados à cultura. Foi distinguido em 2014 com o prémio Carreira para a área de Artes Plásticas pelo Rotary Club.

Henrique Silva nasceu em Querença, Loulé, decorria o ano de 1949. As artes plásticas bailavam-lhe na mente, assim em 1985 inicia timidamente a pintar num estilo misterioso, manifestando alguma inquietude. Como habitante do barrocal algarvio, a pedra sempre o fascinou. Dominou a matéria e na pedra se revelou. A sua obra não passa despercebida, principalmente pelo mistério que nela há. A mensagem da alma, a mistura da alegria e a dor. Aquilo que nos quer dizer mas não o diz (na totalidade), é assim a Obra deste artista, do poeta (na tela e na forma). Hoje conta com várias exposições colectivas e individuais em Portugal, Finlândia, Espanha e Inglaterra.

Horário de abertura: 3ª a 6ª 10:00-12:30 |14:00-18:30
Sábado: 13:00-18:30