289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 

O concelho de Olhão teve, desde sempre, uma ligação muito próxima com o mar, sendo este, durante largos anos, a principal fonte de rendimento da sua população. Toda a sua frente ribeirinha está integrada na Ria Formosa, um dos mais belos parques naturais de Portugal e recentemente consagrada como uma das 7 Maravilhas Naturais do nosso País. Pelas suas caraterísticas paisagísticas e biofísicas, é considerada como área protegida, fazendo ainda parte desta, a única ilha do concelho de Olhão, a Armona. Conheçamos também outro importante património paisagístico olhanense, o Cerro da Cabeça.

Parque Natural da Ria Formosa

Instituído Parque Natural em 1987, cobre cerca de 18.400 hectares de um sistema lagunar que se estende por 60 km de litoral, entre a Praia do Garrão (a poente da ilha de Faro) e a Praia da Manta Rota (a nascente de Cacela Velha).

Site novo Ria Formosa1É um labirinto de canais, ilhas, sapais e bancos de areia, formados pelo depósito de sedimentos trazidos pelos cursos de água e pelo mar. A ria, a sul, está confinada por um cordão dunar estreito, interrompido aqui e além pelas barras que permitem a entrada das águas das marés. 
O Parque Natural da Ria Formosa é a maior e mais importante zona húmida do Algarve. É uma área de grande importância, pois apresenta uma elevada variedade de habitats aquáticos e terrestres.

A poucos quilómetros de Olhão situa-se a Quinta de Marim, sede e centro de interpretação do Parque Natural, concebido especialmente para receber os visitantes, e onde se pode encontrar uma amostra representativa da diversidade dos valores naturais existentes nos principais ecossistemas da Ria Formosa. Este é um ponto de passagem da fauna migradora entre o norte de África e a Europa e local de invernada das aves provenientes do norte e centro do continente europeu. 

Site novo Ria Formosa3 
O símbolo do Parque Natural é o caimão-comum ou galinha sultana, uma das espécies mais raras da Europa, vivendo apenas em Espanha e, em Portugal, na Ria Formosa e na foz da Ribeira de Quarteira. O flamingo e a águia de asa redonda, a galinhola e o guarda-rios são outras aves que aqui se podem observar. Outro habitante do Parque, quase extinto na Europa, é o camaleão. A nível botânico, a área também é de grande interesse, especialmente pela vegetação das zonas de duna e sapal.




Site novo Ria Formosa2A Ria tem também uma importância económica enorme devido à variedade de peixe, marisco e bivalves, sobretudo para Olhão, cidade também conhecida por ser a capital da Ria Formosa. Aqui se cultiva a amêijoa, saindo desta área cerca de 80% do total de exportação do País. A dourada, o robalo ou o camarão da Ria são igualmente abundantes e de excecional qualidade.






Para mais informações consulte o site: http://portal.icnb.pt/ICNPortal/vPT2007-AP-RiaFormosa


Cerro da Cabeça

O Cerro da Cabeça, com 249m de altitude, é a elevação mais oriental da Serra de Monte Figo, e situa-se no concelho de Olhão.

O seu património botânico encontra-se revestido pelo maquis, típico do Barrocal algarvio. Este local é também um excelente miradouro, de onde se vislumbra o litoral algarvio.

Novo site Cerro da Cabea
É um sítio de elevado valor paisagístico e científico, integrado na Rede Natura 2000 e no projecto Corine/Biótipos, considerado pelos geólogos um monumento natural, devido ao valor das suas formações cársicas. A sua superfície, ocupada pelo maior lapiás do sul do País e as suas grutas têm um elevado valor ambiental, servindo de abrigo a diferentes espécies de morcegos.