289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 
Começa esta sexta feira, 14 de setembro, o FOMe – Festival de Objectos e Marionetas & Outros Comeres. Até dia 29, a iniciativa, organizada em rede pelos municípios do Algarve Central – Olhão, Faro, Loulé, Albufeira, S. Brás de Alportel e Tavira – e programada e produzida pela ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve, apresenta uma programação repleta de espetáculos onde as marionetas são rainhas.

2018-135-fome-01

No sábado, 22 de setembro, data do início do festival em Olhão, a companhia de Lagoa A Barraca do Gregório traz à Avenida da República, junto à Sociedade Recreativa Progresso Olhanense, pelas 11h00, o espetáculo “D. Roberto O Algarvio”.

Descendentes do Pulcinello italiano, do Guignol francês e do Punch inglês, os Robertos são de raíz extremamente popular, caracterizando-se pela sua voz única e pelas suas histórias curtas e cheias de ação, a maior parte das vezes herdadas por tradição oral e adaptadas a cada realidade sociopolítica e religiosa.

Os Robertos chegaram aos nossos dias pelas mãos de bonecreiros como o Mestre António Dias, o Mestre António Rosado ou o Mestre Domingos Moura, que eram frequentemente encontrados nas praias do Norte, nas feiras e romarias e nas ruas e jardins das grandes cidades como o Porto e Lisboa.

Neste espetáculo, o público poderá assistir às histórias “D. Roberto e a namorada” e “O burro teimoso”.

Meia-hora mais tarde, às 11h30, haverá lugar para o espetáculo “Pulcinella”, trazido ao FOMe pela italiana Irene Vecchia.

O Guarattelle é a forma tradicional napolitana de teatro de rua, criada com a técnica de bonecos de luva. A arte de Guarattelle é uma tradição popular transmitida oralmente há mais de 500 anos em Itália.

A personagem principal - Pulcinella - é um ser livre que, com sua voz mágica, encena o eterno conflito entre o bem e o mal. Pulcinella representa as emoções da vida humana em que cada espetador se vai reconhecer. Este é o segredo de uma tradição oral antiga, sendo um espetáculo social e sempre vital, uma representação irónica e uma sátira do ser humano.

2018-135-fome-03

À tarde, a partir das 18h00, no mesmo local, o público terá oportunidade de assistir ao espetáculo “Punch and Judy”, trazido de Inglaterra pelas mãos de Clive Chandler.

O marionetista, com mais de 30 anos de experiência, é um líder deste tipo de teatro tradicional de Inglaterra. A performance é muito ritmada e engraçada, com uma série de marionetas de luva, que incluem o Polícia e o Crocodilo. No final, o Diabo é derrotado.

Às 18h30, será a vez da companhia vila-condense Lafontana apresentar “Mamulengo Capiroto”, uma forma de teatro tradicional praticada na sua essência por artistas do povo, de características genuinamente populares, onde os atores são bonecos que falam, dançam, brigam e, quase sempre, morrem.

“Mamulengo Capiroto” vem dar continuidade ao projeto de investigação que o grupo vila-condense tem vindo a realizar sobre este teatro ao longo dos últimos 15 anos, refletindo e revelando de modo singular a relação entre esta manifestação e os seus congéneres em Portugal.

A programação do FOMe em Olhão prossegue no domingo, 23 de setembro, às 09h30, com o workshop de construção e manipulação “Teatro D. Roberto”.

A oficina pretende sensibilizar os formandos para o universo do teatro de marionetas, através da construção de uma marioneta de luva. Esta técnica vai ao encontro da tradição portuguesa do teatro de marionetas - o Teatro D. Roberto - no âmbito da sua história e contexto artístico.

Os participantes irão conceber uma marioneta de luva, adquirir noções básicas de manipulação e realizar pequenos ensaios para a prática dos conhecimentos adquiridos ao nível da manipulação. 

A iniciativa, que acontece na Sociedade Recreativa Progresso Olhanense, destina-se a educadores, professores, atores, artistas plásticos e público em geral, e as inscrições encontram-se abertas através dos contactos 289 700 130, ou rpublicas@cm-olhao.pt.

O dia termina às 18h00, de novo frente à coletividade, com a apresentação de “Un elefante com hambre”, que chega da Argentina pelas mãos de Gustavo Tuti Nuñez.

O espetáculo conta a história de um elefante que tem tanta fome que a sua barriga não para de fazer barulho. Lá dentro, há um circo de fome: mágicos, trapezistas, equilibristas, e até um cantor de tango.

A programação do FOMe em Olhão é integralmente de acesso gratuito.

2018-135-fome-04