289 700 100
 
geral@cm-olhao.pt
 

Caros Munícipes,

A sinalização colocada no perímetro do Salva-Vidas da Fuzeta indicando perigo de derrocada, tem levantado algumas questões relativas ao estado atual e utilização futura deste edifício icónico da nossa vila da Fuzeta e do Concelho.

Apesar de o edifício não ser propriedade do Município, mas sim da Direção-Geral do Tesouro e Finanças, dado o valor material e imaterial do Salva-Vidas e relação histórica e afetiva com a população da Fuzeta, e de todos quantos por esse mundo fora se deslumbraram ao conhecê-lo, entendeu o Município levar a cabo uma intervenção de reabilitação estrutural do edifício, dotando o mesmo das mais avançadas técnicas construtivas que permitam a sua perpetuação.
 

As manutenções regulares não impediram o processo de corrosão progressivo ao nível da sua estrutura de betão armado. A deterioração dos betões por corrosão das armaduras, neste ambiente, é um processo natural ao longo dos seus 50 anos de existência.


Assim, no início de 2021 começámos o processo de escolha da equipa técnica com qualificações específicas em reabilitação de património histórico. Estabelecemos um protocolo com a Universidade do Algarve, na pessoa do arquiteto Miguel Reimão Costa, Mestre em Património Histórico, que nos apresentou o especialista em reabilitação e restauro Arquiteto Professor Doutor José Aguiar e o Engenheiro António Sousa Gago, diretor do Laboratório de Estruturas e Resistência de Materiais do Instituto Superior Técnico.

Foi realizada uma prestação de serviços que se divide em duas fases: primeiro a avaliação do estado de conservação estrutural e construtivo do edifício do ISN da Fuzeta, seguindo-se depois o projeto de execução.
 

Estando a primeira fase terminada, com a apresentação do relatório de avaliação do estado de conservação estrutural e construtivo do edifício do ISN da Fuzeta, concluiu-se que do ponto de vista estrutural, tendo em conta a profundidade e a extensão da degradação, o edifício se encontra em risco de ruína/colapso parcial, sendo recomendável impedir de imediato o acesso ao seu interior e plataformas bem como e, sobretudo, à parte inferior do edifício.

De acordo com os consultores técnicos e projetista, existem condições técnicas e materiais para reabilitar estruturalmente o edifício, o que terá um custo de cerca de €750.000,00.

Neste momento, estamos a preparar a adjudicação do projeto de execução da reabilitação do edifício.

O Município compromete-se a priorizar e agilizar os procedimentos administrativos necessários dentro, obviamente, das possibilidades legais do processo, no sentido de o mais rapidamente possível podermos voltar a ter o nosso Salva-Vidas em todo o seu esplendor.
 

 

O Presidente do Município de Olhão,
António Miguel Pina